Canto do uirapuru

Foi editado em 2016 pela Editora Escrita Fina (Grupo Editorial Zit)

Leia aqui o release de Canto do Uirapuru

canto-do-uirapuru-premiado

capauirapuru

 

indigo-cantouirapuru-b

 

uirapuruCanto do Uirapuru é uma história sobre família, amizade, apaixonar-se, amor e sobre o sentimento de que a vida é maior, como nos diz “Poesia”, de Drummond. Max é um garoto de 16 anos,  vive em uma fazenda de café desativada. Ele faz parte da comunidade formada pelos colonos que antes trabalhavam ali. A sua vida e a da comunidade mudam quando a dona da fazenda resolve voltar, e ela traz consigo a neta e o neto.

Canto do Uirapuru foi um dos nove finalistas do Prêmio Barco a Vapor (2015) e foi publicado pela Editora Escrita Fina/Zit (2016).

GuilhermeOss comenta o livro Canto do Uirapuru

Registro sentimental sobre Canto do Uirapuru

A novela tem traços regionais, e alguma de suas partes é memória de minha infância na casa (rústica e dentro de fazenda) de parentes. Mas não apenas isso, também naquilo que vi e ouvi.

A história nasceu também como sensibilização pela leitura de poemas, como os de Manoel de Barros e de Drummond, e de minha vontade em valorizar a produção nacional, como o cinema nacional (citado em conversa entre Max e Lina), da música nacional (cito Renato Russo, e o título do livro remete ainda ao “Canto do Uirapuru” de Villa-Lobos, e a várias músicas de caráter regional também intituladas “Canto do Uirapuru”, como a de composição de Pena Branca e Xavantinho) e de nossa poesia (o avô de Max indica ao neto a leitura do livro Sentimento do Mundo, de Drummond).

O mote para a escrita desse livro foi o sentimento de que a vida é maior. De que temos problemas e dificuldades, e isso não nos deve imobilizar. Somos passageiros do tempo, estamos todos em busca da realização de nossos sonhos e lutas. A poesia escolhida para representar a história foi “Poesia”, de Drummond.

passaro_uirapuruA história Canto do Uirapuru traz vários temas: conflito juvenil, o primeiro amor, os estudos, a difícil realidade da educação multisseriada nas cidades pequenas, decidir estudar longe da família, pensar sobre “o que serei quando crescer”, conflito entre gerações, vivência em família, lenda guarani (em citações esparsas, e na recriação da lenda do uirapuru), conflitos indígenas pela terra, problemas atuais da juventude (agressividade, bullying, abandono, desinteresse, apatia) etc.

Tecendo a história dessa forma espero não resolver problemas, não apontar culpa ou solução, mas apenas sensibilizar, atrair o olhar para detalhes e mostrá-los de outro ângulo.

Quer escutar o uirapuru?